Skip to content

Nunca é tarde – Quase um roteiro

Mude o destino quando o coração te pedir e você quiser.

Num dia ensolarado de verão, Renato pega os dois filhos e parte rumo a uma casa de repouso para idosos.

Ao chegar lá, caminha entre as pessoas e diz aos filhos:

– Essas pessoas escolheram ficar velhinhas juntas, mas precisam de carinho, pois seus familiares esqueceram de vir conversar, cantar, sorrir e passear com eles.

Um dos jovens agarra a braço do pai e diz:

– Eu nunca faria isso com você! 

– Eu te amo muito, muito, muito! 

Abriu um sorriso largo.

O outro correu do outro lado e também o abraçou, dando um beijo no pai, tinha uma lágrima nos seus olhos.

O pai, cheio de si, envaidecido! 

Fica calado e pensativo…

Um senhor chega nos jovens e diz ao jovem pai: 

Pegue essa declaração por escrito, ou grave num desses celulares, pois eles poderão esquecer.

Rapidamente ele responde:

– Meus filhos jamais fariam isso comigo! Eu encho eles de presentes, dou boas escolas, viagens, mimo e faço tudo que querem.

Os dois cruzam seus olhares.

O Senhor então começou a falar frases fortes, densas, uma a uma, com pausas para o pensamento, como se muita coisa estivesse guardada naquele coração:

– Sou de um tempo em que a palavra era mais importante que documentos, onde um fio de bigode representava mais que uma assinatura. 

– Também dei tudo aos meus filhos, alguns me dizem que dei demais, mas hoje entendo que não!

– Afinal estou aqui e eles nem me visitam, assim como você comentou. 

– Eu ensinei o valor da “Palavra” de um ser humano, mas eles não entenderam, ou eu fui tão ríspido e rígido, que mão me fiz entender.

– Hoje eu entendo muitos porquês.

– Eu dei muita coisa para eles, mas dei pouco amor, eles aprenderam que amor era algo próximo a vaidade das viagens e roupas caras, do orgulho das mesadas e das festas, mas pouco tiveram de mim em amor.

– Pouco tiveram de abraço e de um “olhar”!

O senhor deu uma pausa para respirar, olhando triste para suas mãos!

– Como eu hoje poderia cobrar deles, aquilo que não dei e não ensinei?

– Eles me colocaram numa gaiola dourada e me esqueceram aqui.

– Tenho o luxo desse lugar, mas sem liberdade e sem a companhia deles.

Nesse momento, olhou profundamente para o rapaz e disse:

– Eu não ensinei sobre humildade, sobre o aprender de tudo com todos a cada novo dia, de honrar e amar a família e, nem sequer ensinei o que era a “Palavra de um homem”.

– Um dia confiei neles e doei tudo que construí para eles, mais que depressa me trouxeram para cá, não me viam como o “Pai”, mas como um perigo para o patrimônio. Afinal, eu estava velho demais para gerenciar um negócio.

– Muitas brigas e discussões sobre tecnologia, sobre oportunidades e mais outros problemas importantes nos negócios.

– A mãe deles já tinha morrido e como eu tinha 35 anos de diferença de idade para eles, nossos laços eram poucos e rígidos, antiquados.

Cair, Folhas, Outono Dourado

Outra pausa se fez no ar:

– Imagina se eu ia aceitar um abraço ou um beijo de meu filho, como vocês fizeram agora.

– Como eles nunca aprenderam comigo os verdadeiros laços do amor, fico aqui sozinho, pensando em como seria bom dividir com eles um pouco mais do que dinheiro, talvez um pouco de carinho.

Com um nó na garganta, se dirigiu aos jovens:

– Cuidem do pai de vocês, abracem e amem muito! Cuidem sempre, mas não pelos presentes e sim pelo “olhar”.

Olhando para o pai deles, disse:

– Cuide de seus filhos, não cometa meus erros, talvez eles voltem a entender o significado da “Palavra de um homem” e cumpram o que acabaram de dizer para você.

O jovem rapaz estava com os olhos cheios d’agua e disse:

– Vamos embora daqui pai, quero aproveitar e aprender com você sobre carinho! 

– Hoje pela primeira vez vi sentimento nos teus olhos, vi sinceridade e amor na sua voz e quero muito ter você em casa com seus netos, já perdemos tempo demais separados.

Os adolescentes ficaram parados sem saber o que pensar, abraçaram o avô que mal conheciam e viram um sorriso no rosto do pai que ainda não tinham visto.

Saíram os 4 caminhando, os rapazes ainda estavam entendendo que tinham um avô, que seu pai estava corrigindo humildemente um erro e que a vida teria que ser diferente de agora em diante.

Mude de ideia, mude tudo, não existe erro que com amor não possa ser corrigido. 

Basta humildade para encarar que foi um erro…

Nunca é tarde para amar…

Homem E Menino, Pai E Filho, Paternidade