Skip to content

Sobreviva na crise

Na crise foque no Caixa.

Rentabilize depois,

primeiro sobreviva!

Nos momentos de crise e no pós-crise nossas empresas devem pensar em dois aspectos fundamentais de cada uma delas: Caixa e Resultado, porém devem pensar exatamente nessa ordem:

  • Caixa – análises imediatas, soluções urgentes, visão Sobrevivência
  • Resultado – análises temporais, soluções ponderadas, visão Sustentabilidade

Busque soluções próprias, verifique as experiências das demais empresas, mas imagine que sua empresa é como um organismo, é única e, pode obter soluções próprias.

“Saia do quadrado”

O momento exige força, criatividade e a certeza da fé no sucesso!

“Às vezes, a vida vai te acertar um tijolo na cabeça. Não perca a fé.”

Steve Jobs

O que quero dizer com isso: toda empresa deve priorizar a sobrevivência na crise e no momento posterior a mesma, repense seu caixa, coloque foco no curto e médio prazo e depois passe a articular a rentabilidade da mesma.

Muitas empresas foram caracterizadas como essenciais e continuam operando. 

Se seus custos aumentaram, cuidado ao transferir os custos para seus preços pois pode gerar alto risco de Imagem, logo sua decisão deve priorizar o caixa e a imagem futura e não somente o momento de relativo crescimento quantitativo.

Para essas empresas o momento é uma oportunidade de crescimento da demanda, pois os clientes apresentam maior necessidade de seus produtos, se eu pensar apenas pelo lado financeiro, posso aumentar os preços de forma equivocada e gerar maior receita momentânea.

Porém se a concorrência colocar preços menores, você será visto como explorador e o que era uma oportunidade tornar-se-á um enorme problema de Imagem.

Essa situação pode ser irreversível, pois as pessoas tendem a te ver como aquele que poderia ter sido parceiro, mas que visou apenas o lucro.

Chamo isso de “lucro burro”, pois após o ciclo, que nesse caso é curto, você perderá muitos de seus clientes.

Já outros que se posicionarem com parceiros terão suas quantidades aceleradas e vão obter um efeito de marketing fantástico, a fidelização! Se você está nesse grupo, agora é hora de repensar o futuro do mercado pós crise.

Muitas empresas são essenciais e precisaram apenas de uma adaptação de logística.

Nesse caso espero que você tenha visto na crise uma oportunidade e que agora você comece a visualizar as tendências e mudanças necessárias nos seus produtos, na opinião dos seus clientes e na estruturação da nova logística de distribuição.

Alguns exemplos:

  • Escolas totalmente presenciais passaram a tratar seus clientes pela internet, isso não elimina seu produto principal, pois o relacionamento com o educador provoca grande interação e aprendizado. Mas a crise gera uma oportunidade de diversificação. Logo repense o que precisa da interação e o que pode ser realizado on line. 
  • Muitos restaurantes passaram a entregar via delivery, a maioria dos seus clientes trata a ida ao restaurante, como um passeio e passando a crise tendem a retornar ao comportamento anterior, porém você se fez presente na vida do cliente nesse período difícil e criou uma nova oportunidade de negócios.
  • Serviços, que gradativamente vem utilizando a tecnologia a seu favor e reduzido custos através do atendimento via internet e telefone, nesse momento esse processo apenas foi acelerado.

Para esse grupo de empresas um fator é fundamental, analisar os custos da nova logística e aproveitar o momento para transformar a crise em oportunidade de diversificação.

Para empresas não consideradas essenciais o processo já deve ter sido analisado com grande peso no fator Caixa, pois as receitas tendem a reduzir e em alguns casos podem zerar.

Nesses casos a empresa perde o fator positivo na equação de composição do caixa, logo todo o foco deverá ser direcionado a redução de custos e despesas, utilização de Investimentos e possíveis empréstimos.

Tenho visto muita gente reclamar do custo de novas opções de canais de distribuição.

“As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer alguma coisa. Deviam preocupar-se mais com os custos de não fazer nada”.

Kotler

Essas empresas devem ter estabelecido algumas frentes de negociação nas principais variáveis de seu negócio e, agora devem começar a pensar no futuro:

Receitas 

Caso seus produtos ou serviços não puderam ser negociados via novas opções de logística, você pode ter buscado receitas alternativas por exemplo:

  1. Muitos empresários fizeram pré-venda de produtos (opção utilizada por setores de viagens, bares e festas, as pessoas vendem vouchers para uso futuro), agora precisam se preparar para cumprir esses compromissos e usá-los como porta de entrada para novos negócios;
  2. Outras empresas criaram produtos paralelos, confecções incluindo acessórios médicos/hospitalares e máscaras, agora está na hora de pensar na próxima estação da moda;
  3. Alguns empresários buscaram adaptar seus equipamentos a produtos necessários, é o caso de empresas de componentes de diversos eletrodomésticos, automóveis e outros produtos, passam a produzir peças para equipamentos hospitalares, agora devem  estar revertendo o processo;
  4. Houve ainda casos oportunos de vendas e negociações inesperadas, muitos pequenos empresários, transformaram competências pessoais em negócios, já vi funcionários de salão de beleza produzindo chocolate para a Páscoa e funcionários de buffet infantil fazendo animação de festa on line e entregando cestas de café da manhã, num momento de crise aptidões aparecem e podem gerar até novos negócios;
  5. Em alguns casos não foi necessário alterar o negócio, somente entender a existência de um novo público, muitas oficinas mecânicas se especializaram em ambulâncias, motos e carros usados para entrega por delivery.

Esses casos todos mostram muito bem como é importante se reinventar!

“Um bom começo é a metade”

Aristóteles

Logo parabéns se você conseguiu manter parte de sua receita.

Custos 

Vamos trata-los como gastos literalmente ligados as receitas.

Se você esteve ativo no período mais duro da crise, a negociação de preços e prazos foi fundamental, para tornar os preços efetivos.

Caso esteja sem receita, espero que tenha interrompido as compras, tenha renegociado pagamentos de compras anteriores, e agora já esteja negociando custos futuros, pois há uma demanda represada no mercado e as empresas deverão estar preparadas para um consumo acelerado no final da crise.

Despesas 

Vamos considerar que esses são os gastos que não estão ligados a produção e execução direta dos serviços.

Esse grupo deve ter sido considerado como peça fundamental para a sobrevivência. Destacam-se nesse grupo 4 grandes despesas:

  • Pessoal – numa crise preserve os funcionários fundamentais, espero que você tenha criado pontes entre você e seus funcionários, as melhores soluções, nesse caso, estão na empatia e na negociação;
  • Locação – sua negociação é fundamental, se você buscou seu locatário existe uma grande possibilidade de ter negociado, mantenha um vínculo próximo no momento da retomada;
  • Energia, água e gás espero que tenha verificado as possibilidades geradas pela legislação e tenha negociado pagamentos, se estiver em atraso busque agora a renegociação;
  • Logística – se sua empresa mudou a sistemática de atendimento, essa despesa precisa ser controlada pela Visão Caixa, mas foi incentivada pela Visão da Oportunidade, principalmente no que se refere a tecnologia e canais de distribuição;

Despesas com vendas devem ter sido ser minimizadas assim como todas as demais.

“Não nos tornamos ricos graças ao que ganhamos, mas com o que não gastamos.”

Henry Ford

Nesse momento siga esse exemplo!

Fica a dica sempre otimize seus gastos, nunca minimize, pois minimizar pode reduzir a eficiência!

Existe uma grande diferença entre otimizar e minimizar, nunca se esqueça!

Utilização de Investimentos

Você deve ter ficado diante da pergunta:

Descapitalizar ou procurar alternativas?

Se sua empresa usou as aplicações financeiras, espero que tenha sido após o controle total dos custos e despesas!

Pois sem dúvida essa não era sua única alternativa. Reduzir Investimentos para suprir caixa deve ser o último recurso!

Empréstimos e Financiamentos

Outra grande dúvida deve ter sido:

Vou tomar recursos emprestados, vou renegociar dívidas, vou buscar carência?

Muito se falou sobre recursos vindos do Governo, mas essa opção não conseguiu ser tão rápida como se pensava, mas muitos bancos procuraram seus clientes e evitaram perder grandes clientes diante da pandemia, dessa forma inclusive minimizando seus riscos.

Portanto o importante é manter a preocupação com o custo da operação, o tamanho necessário para o período de carência e o prazo total.

Muito cuidado, pense nas suas necessidades de giro durante a crise e no começo da retomada!

Finalizando, sobreviva e dedique seu tempo para buscar oportunidades na crise e no pós-crise.

Um empreendedor, um empresário e um autônomo diferem na forma, mas não na base de seus sentimentos que estão ligados ao sucesso e ao equilíbrio econômico.

Nesse momento foque na criatividade, na prudência  e, elimine seu medo do desconhecido.