Skip to content

Perspectivas, Ideias e Visão de Futuro

BSC (Balance Scorecard)

O uso constante de conceitos, teorias e regras institucionalizadas nos leva a enquadrar sempre “teorias” que podem ficar melhor com o tempo e serem reconstruídas e utilizadas com maior liberdade.

Para mim, Peter Drucker é um mestre e uma referência, não sei como não incluir sua célebre frase: 

“O que pode ser medido pode ser melhorado “!

Para um texto que se propõe a falar de Indicadores de Performance, Drucker é a referência.

Meu primeiro texto já publicado sobre o assunto prepara meus leitores para dar mais liberdade ao pensamento. 

Existem centenas de consultorias, livros, cursos e apostilas que amarram esses indicadores com perfeição.

Apesar de meus mais de 50 anos e não ter domínio total sobre as tecnologias modernas de cálculos, tenho uma criatividade extremamente aguçada, um desejo profundo de transformação e uma visão tão plena das infinitas possibilidades de uso nas teorias que muita gente não vê.

Acho que teorias são os fundamentos, mas a liberdade de criação e utilização são as bases que garantem a evolução do ser humano.

Um indicador bom para sua empresa, organização ou até para sua vida, não é necessariamente aquele empacotado e padronizado para todos.

Esses indicadores padronizados já existem, estão numa prateleira de ofertas, seus conceitos são universais na base e adaptados a dados e conceitos da sua organização. Saiba usá-los!

Quando você leu meu primeiro texto, deve ter sentido falta daquela visão quase que obrigatória do BSC (Balanced Scorecard), mas eu prefiro sempre dar liberdade e depois mostrar o que já está disponibilizado e retratado. 

Afinal, para mim o que está faltando ensinar mais é a liberdade de pensamento necessária para tomar decisões.

Os KPIs tradicionais vocês podem encontrar disponíveis em centenas de textos na internet; a liberdade de entender que você pode ter a sua visão, independente das formais, é que tem tudo a ver com essa nova geração de empreendedores.

Uma prova do que digo está num exemplo clássico:

Tente usar indicadores clássicos numa dessas meteóricas startups, tente enquadrar uma delas!

Esquece! 

Você, no mínimo, será chamado de velho, mesmo sendo jovem! 

Ou vai ter que encarar jovens com aquele risinho de canto de boca.

Não os critique, eles estão certos!

A visão do mundo mudou com a tecnologia avançando cada dia mais e as pessoas insistem em modelos pré-formatados, quase enlatados.

Sonho com o dia em que esses jovens saiam dos enlatados conceitos na essência, pois vejo alguns usando palavras sofisticadas, geralmente em outras línguas, para falar coisas tão simples. Isso não passa daquele velho conceito de que inteligência precisa de um dicionário anexo!

Menino, Buraco, Esconder, Ocultar

Seja jovem no Pensar!!! Ser jovem não está na idade, está nas ideias, na criatividade e na liberdade que você se atribui!

Depois de ter feito meu discurso e prepará-lo para me surpreender com seus novos indicadores de desempenho, vou trazer a minha visão sobre os KPIs mais conhecidos. 

BSC (Balanced Scorecard) 

(Olha para esse título e pensa comigo: para que empresas jovens, brasileiras, com infinitas possibilidades de pensar precisam se amarrar nessa sopa de letrinhas, se isso aí significa simplesmente 

“Conjunto de Indicadores úteis para tomar decisões na minha empresa”).

Vamos conferir quais são os formatos e indicadores mais utilizados no mercado.

Enfim, me rendo à praticidade e vamos ao choque de realidade.

Amigos, formalidades e padrões não são sempre inimigos!

Você vai dizer que estou sendo incoerente, com toda a liberdade que propus.

E eu respondo que não!

Pois quando você escolhe ser empresário, você terá que tomar decisões sempre, a cada minuto do dia!

Não vivemos num mundo isolado, vivemos em sociedade e precisamos nos comunicar dentro de padrões estabelecidos.

Logo, preciso estar preparado para ser comparado com outros empreendedores. Preciso conhecer os padrões e os indicadores mais usados e testados, podendo ser até fundamentais, principalmente quando não tenho maturidade para criar inovações e os meus próprios indicadores.

O BSC foi criado por Kaplan e Norton em 1997, baseado nas necessidades de se gerenciar organizações.

O BSC foi construído em quatro perspectivas, que buscam agrupamentos para facilitar a lógica de leitura e análise dos indicadores:

  • Financeiro,
  • Processos Internos,
  • Clientes,
  • Aprendizagem e crescimento.

Financeiro

Focado em indicadores e tomadas de decisões relativas a recursos financeiros de uma empresa. 

Conceitos Importantes: 

Retorno, Lucro, Valor, Caixa.

Logo, os indicadores aqui estarão sempre atrelados a esses conceitos. Alguns exemplos são: 

  • Faturamento (Bruto e Líquido), 
  • Retorno (relação entre Resultado e Capital Investido), 
  • Caixa (Giro), 
  • Custos de Produção, 
  • Margem de Contribuição.

Processos Internos

Esse grupo de Indicadores está ligado à identificação dos processos internos críticos e busca minimizar os problemas ali identificados, os gargalos. Nesse grupo podemos obter vantagens frente à concorrência fazendo uma gestão perfeita dos recursos produtivos. Busca do melhor “processo” na execução das tarefas.

Alguns exemplos:

Redução dos custos de produção ou comercialização;

Seta, Diagrama, Processo, Visualização

Redução dos tempos relativos à produção, entrega de produção e comercialização (muito ligado à logística do processo).

Clientes

Diante de um mercado altamente competitivo atual, essa perspectiva ganhou uma importância maior do que no passado.

Aqui estamos falando sobre a satisfação das demandas dos clientes (experiência dos clientes). 

Hoje é clara a preocupação com a conquista, satisfação, retenção e busca dos novos clientes.

As curvas de aprendizado são fundamentais para buscar a manutenção, retenção e renovação do Universo chamado cliente.

Essa perspectiva está intimamente ligada à jornada do cliente. Em breve, teremos um texto mais detalhado sobre este assunto.

Aprendizado e Crescimento

Essa quarta e última peça do quebra-cabeça está ligada ao Capital Humano de uma empresa.

No mundo atual, é importante aprender o máximo com essa perspectiva, pois buscar profissionais qualificados e manter os mesmos é uma tarefa árdua.

Para você conquistar seus empregados e obter a otimização dessa relação, precisamos mais do que “salários e benefícios”, precisamos de crescimento profissional, desenvolvimento, foco e estabelecimento de vínculos.

Perspectivas UNIDAS

Precisamos que as perspectivas do BSC e dos Indicadores de Performance se complementem: não existe retorno sem qualidade, sem clientes e funcionários satisfeitos.

Para funcionar, o BSC precisa de definição ESTRATÉGICA clara, com visões de curto e longo prazo para a Gestão da empresa.

Para que possamos pensar no BSC, precisamos acima de tudo ter criado inicialmente no seu Mapa Estratégico.

Um Mapa Estratégico precisa necessariamente de:

Objetivos 

Visão estratégica de futuro;

Metas

Quantificação dos objetivos e definição de performance (desempenho) a ser obtida;

Indicadores

Construção ou escolha de indicadores que traduzem os objetivos;

Como nossa proposta do texto está ligada a indicadores, gostaria de lembrar que indicadores podem ser vistos em categorias:

  1. Indicadores de Desempenho ligados à Produtividade: 

São indicadores ligados a utilização de recursos da empresa. 

Medem sua produção quantitativa.

Quando você cria uma empresa, você possui a chamada capacidade produtiva, que pode ser compreendida como produção de produtos ou serviços. 

Nesse caso, lembre-se da frase do mestre Kotler:

“As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer alguma coisa. Deviam preocupar-se mais com os custos de não fazer nada.”

  1. Indicadores de desempenho que focam na qualidade:

São indicadores baseados nas qualificações do processo, em que podemos detectar problemas de processos de produção e logística;

  1. Indicadores de desempenho ligados à Capacidade:

Indicadores que cruzam sua produção ou sua entrega com os prazos estabelecidos;

  1. Indicadores de desempenho estratégicos:

Toda empresa deve possuir um Objetivo, Propósito e essa estratégia se traduz em metas, que devem ser acompanhados por indicadores. 

Iniciativas

Ações propostas a serem executadas para melhorar indicadores, cumprir metas e atingir objetivos

Resumindo: o desenho bem-feito de um BSC pode formatar o MAPA DA MINA, o mapa da sua MINA.

Quando nos propomos a entrar num negócio, estamos ligados à descoberta de uma oportunidade, mas deve também estar ligada a visualização de uma competência como empresário para oferecer solução para aquela oportunidade. Adoro uma frase de Kotler nesse sentido:

“Uma coisa é perceber oportunidades atraentes e outra é ter competência para ser bem-sucedido nessas oportunidades.”

Nunca se esqueça que Indicadores de Performance, BSC e todos as outras teorias e dicas que estamos te apresentando só são válidas se você tem muito claro aonde quer chegar!!! 

Proponho alguns exercícios mentais aos interessados.

Imagine que Mark Zuckerberg e seu Facebook, Steve Jobs e sua Apple e Bill Gates e a Microsoft começaram pequenos e com boas ideias, com visão de futuro. Mas, acima de tudo, obstinados em se tornarem grandes.

Para isso, mesmo com dificuldades, eles visualizaram grandes perspectivas. Seus indicadores eram muito mais na perspectiva humana do sonho do que na perspectiva financeira de curto prazo.

Veja Luíza Trajano e seu Magazine Luiza.

Estude você mesmo como o Magalu se tornou o que é hoje, conheça sua missão e sua estratégia! 

Assista palestras da Sra. Trajano e inspire-se.

“Meu modelo de negócio são os Beatles. Eles eram quatro caras que conseguiam controlar as tendências negativas um do outro. Eles equilibravam um ao outro, e o total era maior do que a soma das partes. É como eu vejo os negócios: grandes coisas em termos de negócios nunca são feitas por uma pessoa. São feitas por uma equipe de pessoas”.

Steve Jobs