Skip to content

Roubando a cena está com Ricardo Almeida

Vamos falar de alfaiataria

Hoje buscamos um estilista brasileiro especial, pois queríamos uma referência em moda masculina.

Pronto, encontramos: Ricardo Almeida!

Nossa intenção é falar de Ricardo Almeida e da magia da alfaiataria, uma marca desse brilhante estilista.

Nasceu em 1955, em São Paulo, filho de Beatriz e Oswaldo Almeida, proprietários da loja Almeida Irmãos, também conhecida como Casa Almeida.

A Casa Almeida e a Casa Paiva (de seus avós) eram referência de tradição e qualidade, estavam localizadas na região da Zonal Sul paulista, num ambiente de muito requinte.

Ricardo Almeida é muito diferente dos demais estilistas, pois é um “alfaiate” e gosta e valoriza o chão de fábrica.  

Possui um espaço com mais de 8 mil m² no Bom Retiro, centro de São Paulo, onde são produzidas suas coleções. Um empresário que tem orgulho de sua fábrica, que exibe com prazer. 

Atualmente possui muita tecnologia a favor da moda.

Ricardo Almeida produz muita coisa na capital paulista, mas traz muitos artigos de vários outros lugares do Brasil e do mundo, com destaque para:

  • Camisas Polo, do Peru;
  • Jeans, do Paraguai;
  • Gravatas italianas;
  • Sapatos produzidos em Franca.

Numa entrevista para Versatille, Ricardo Almeida contou que pensa muito em colocar a produção em locais com mais benefícios fiscais e menores custos, mas o lado alfaiate fala mais alto que o industrial, onde estar perto da produção pesa muito. 

 “Estou aqui todo dia, não faria sentido mandar a produção para outro lugar.”

Nos últimos anos, Ricardo levou a alfaiataria para o universo feminino, uma alfaiataria para mulher. 

Eu diria que Ricardo é uma pessoa atualizada, pois de tão antenado criou alfaiataria feminina, para mulheres modernas, empreendedoras e independentes. Um mercado em franca expansão.

Alfaiataria

A Comud quer muito incentivar os jovens a conhecer a arte da alfaiataria.

Pois esse mestre sempre vai precisar de muitos discípulos no mundo moderno.

A alfaiataria é uma arte. Surgiu na idade média e perdura até hoje, está em constante evolução e, no exterior, possui grandes expoentes como Giorgio Armani e Ermenegildo Zegna. 

As peças de alfaiataria são estruturadas, com corte mais reto e ajustado, seus tecidos são especiais, produzindo um caimento impecável, elegante e social.

As peças de alfaiataria mais comuns são calças, blazers, ternos. Nos últimos anos, o universo feminino trouxe para essa arte as saias, por exemplo.

Dentro de suas linhas, criou roupas para eles e para elas, mas com uma pegada mais luxuosa. Peças com modelos e padronagens especiais, peças que indicam elegância. 

 Ricardo Almeida também buscou atingir nos últimos anos um público masculino de alto poder aquisitivo, quase um retorno a suas origens, uma maior exclusividade. 

Para isso, recorreu a tecelagem italiana e francesa, tecidos de ultra luxo.

Gosto muito dessa frase desse estilista visionário:

“Quando vi as marcas importadas entrando no mercado, pensei:

‘Se não crescer, vou virar um alfaiate de fundo de quintal’“. 

Ele arregaçou as mangas e lutou por seu espaço na moda brasileira, típico espírito empreendedor.

Hoje, é uma referência e está sempre presente nos maiores eventos de moda.

Ricardo Almeida, mais uma estrela apresentada pela Comud e que deve ser conhecida e reverenciada pelos aspirantes ao mundo da moda.

Imagem da capa: https://versatille.com/ricardo-almeida-um-alfaiate-para-as-mulheres/

http://blog.ricardoalmeida.com.br/index.php/get-the-look/