Skip to content

Renda, rendeira, rendar

Crônica da Rendeira

Eu estava visitando o Nordeste do país, mas não gosto muito daqueles passeios padrão turismo, prefiro caminhar livremente e conhecer gente.

Soube de um bairro onde as pessoas faziam artesanato e fui até lá, pois sem dúvida eu encontraria gente muito boa, artistas são muito receptivos.

Não me pergunte qual foi a razão, mas as rendas dela me chamaram a atenção, pela qualidade, doçura e seu colorido, uma delas me fez entrar numa casa.

Aquela senhora ali sentada me chamava atenção, mesmo que entre tantas outras, ela me cativara, apesar de sua idade e ainda estar trabalhando, abria um sorriso enorme para falar comigo sobre seu rendado.

Mulher rendeira faz graça na internet para “esquecer os boletos” - Verso -  Diário do Nordeste

Aquele trabalho era tão detalhado, os movimentos eram tão precisos e ela fazia isso com um sorriso que me contagiava.

Num primeiro momento me deu vontade de saber fazer renda, pois aquele trabalho devia estar ligado aquele sorriso. Percebi logo que havia homens produzindo e isso, me animou ainda mais.

Mas era mais do que isso, era pelo prazer dedicado a seu trabalho. 

Aquela mulher me chamava a atenção, me cativava, mesmo sendo tão difícil, ela sabia que aquele trabalho lhe rendia o ganho para sobreviver e trazer dignidade para sua família. 

Descobri isso quando pedi licença, sentei no chão e propus  conversarmos um pouco. 

Ela me contou que era mãe de 6 filhos lindos, avó, e que o marido tinha morrido há muito tempo atrás. 

Era muito orgulhosa da família, pois todos tinham estudado, dois já estavam formados e, tudo isso fazendo renda. 

Aprendeu a rendar ainda criança e nunca mais parou.

Essa pintura me fez visualizar aquela artista no começo de seu aprendizado.

Vendo tanta beleza em seus trabalhos, percebi que aquela arte só era possível por haver entrega total, habilidade e muita garra.

https://lh3.googleusercontent.com/p/AF1QipNyz5hZEyjLMA2L74d-CjQnzhu8x8sfOSgmVQl2=w768-h768-n-o-v1

A beleza dos trabalhos

Eu perguntei se tinha fotos e ela me mostrou. Vejam como são lindos:

Vejam como o trabalho é meticuloso, detalhado e difícil:

Rendeiras da Vila - Artesanato - Renda de Bilro na Vila de Ponta Negra -  Natal/RN

Preocupei-me com a valorização de seus trabalhos, com suas condições de trabalho e resolvi entender como era a comercialização de  tanta beleza e, fiquei contente com a formação de cooperativas e grupos de trabalho que estavam buscando aumentar o preço e atingir o mercado internacional.

Acabei passando o dia ali!

Tomei um suco de caju e comi uma tapioca no bar de Dona Graça, ali do lado, Gente essa combinação é dez!

Sugestão de Dona Maria, olha só, eu ainda não tinha falado o nome dessa rendeira maravilhosa! 

Fiquei tão encantado com ela e com seu trabalho que nem me preocupei com o nome, mas eu agora estou corrigindo me retratando.

O nome era perfeito para ela, isto é, uma mãe que sabia o que queria na vida: dar boas condições de vida aos filhos, criar oportunidades, transmitir valores e reforçar a dignidade do ganho através do trabalho.

Hoje no dia da rendeira, resolvi homenagear de três formas:

Primeira, criando uma crônica em ficção, uma Maria entre milhares de Marias e por meio dela poder homenagear todas as profissionais da renda.

Segunda, trazendo fotos dessas lindas senhoras do “Rendeiras da Vila” de Ponta Negra – RN, para homenagear uma imensidão de artistas do rendar. 

 APROVADO POR UNANIMIDADE em 2ª Discussão o Projeto de Lei 204/2019 

Dia da RENDEIRA – 13 DE ABRIL – em homenagem a Mestra Rendeira Vó Maria de Lourdes de Lima. Pleiteado pela Associação Rendeiras da Vila e de proposição do @vereadorarygomes, apoiado por todos os vereadores hoje 23/07/2020.

Associação Rendeiras de Bilro da Vila de Ponta
Presidenta honorária : Mestra vó Maria de Lourdes de Lima
Presidenta : Mestra Maria Helena Correia dos Prazeres Presidenta
Vice : Mestra Maria Segundo do Nascimento

Terceira, trazendo um clássico do cancioneiro popular, do eterno Gonzagão muito respeitado e cantado e uma música linda de Carlos Zens falando das rendeiras da vila!