Skip to content

Vacinação pet

Como a vacinação e cuidado com a saúde do seu pet pode se relacionar também com a saúde humana 

Para você, que tem pet, como andam as vacinas do seu animalzinho? Com que frequência são revacinados? 

Nem todos sabem, mas a importância da vacinação dos animais de companhia vai muito além da saúde apenas dos próprios animais, mas também pode interferir na saúde de seus humanos responsáveis. 

Isso acontece, pois algumas doenças são passadas dos animais para os humanos e vice-versa. 

Estas são chamadas zoonoses. Atualmente a raiva, leishmaniose, leptospirose, toxoplasmose e esporotricose são consideradas as principais zoonoses transmitidas por cães e gatos. 

Com uma única atitude, é possível prevenir essas e diversas outras enfermidades que podem ter, desde manifestações simples, até levar a morte. 

Abaixo estão os principais compilados do protocolo vacinal, quais são e como funciona cada uma: 

V8 ou V10

Vacinas múltiplas ou polivalentes (V8 ou V10). 

Esta substância é capaz de proteger o animal contra 7 tipos diferentes de infecções virais e bacterianas. São estas: adenovirose, cinomose, coronavirose, hepatite infecciosa, leptospirose, parainfluenza e parvovirose. 

Raiva

Vacina antirrábica (contra raiva) 

 Esse imunizante protege contra o vírus da raiva, uma importante zoonose que atinge o sistema nervoso central, causando reações como alterações de comportamento, hidrofobia, salivação excessiva (inclusive, responsável pela transmissão) entre outras. 

Esta vacina é aplicada também pela rede pública de saúde na cidade de São Paulo, em diversos pontos. 

Giárdia

Vacina contra giárdia.

Uma proteção contra uma zoonose transmitida com frequência por um parasita protozoário. Pode causar dores abdominais intensas, diarreia, vômitos, desidratação, perda de peso, entre outros. Este ato de imunização pode reduzir a incidência e prevenir a gravidade de reação no organismo. 

Gripe Canina

Vacina contra gripe canina.

Afecção de origem viral, com sinais clínicos comuns da gripe, como tosse, espirro, coriza, febre e até mesmo sinais de depressão. No geral, é mais comum em períodos mais frios e secos, como no inverno. 

Leishmaniose

Vacina contra leishmaniose. 

Previne também contra um protozoário transmitido pela picada de determinados mosquitos, mais frequentes em locais úmidos e com presença de plantas. 

Pode se desenvolver na forma aguda ou crônica, atingindo o sistema imunológico e comprometendo as defesas do organismo. 

Os sintomas variam muito de acordo com a forma da doença, mas o mais comum são lesões cutâneas, problemas oculares e nódulos espalhados pelo corpo. 

Frequência do protocolo de aplicação 

Para filhotes: 

Polivalentes são necessárias 3 doses, com intervalo de 21 a 30 dias; início a partir de 45 dias de vida. 

Antirrábica é dada dose única, a partir de 4 meses de vida. 

Giárdia são 2 doses a partir de 2 meses de vida. Leishmaniose são 3 doses, com intervalo de 21 dias entre cada dose. 

Para adultos: 

A revacinação é anual (1 dose) a partir do protocolo de filhotes corretamente executado. 

A prevenção ainda é o “melhor remédio”. 

Graças a esse ato responsável, importantes afecções já possuem status de erradicada e outras estão caminhando para o mesmo processo. 

Além de responsável, é um ato de amor e empatia, que protege os seus e os demais da sociedade. 

Com consciência e respeito podemos ir além! Saiba mais em:

https://arcabrasil.org.br/vacinacao-caes/

https://sp156.prefeitura.sp.gov.br/porta

Sou a Beatriz, tenho 18 anos e sou estudante de medicina veterinária. Nascida e residente em São Paulo, sou apaixonada por animais, música e literatura. 💖