Skip to content

Guilherme Kodja e a Movêu

Semana passada estive num workshop na FGV, onde alguns destaques em startups se apresentaram.

Eu adoro ouvir boas experiências e trazer para vocês!

Guilherme Kodja me chamou a atenção, pois de uma necessidade pessoal e uma dificuldade vivida, ele viu mais que um problema, viu uma oportunidade.

Essa oportunidade gerou uma ideia de negócio…

Essa ideia de negócio se transformou na Moveu!

Necessidade>problema>oportunidade>negócio

Um bom negócio pode surgir de necessidades que temos e que ainda não possuem soluções no mercado.

Logo, preste mais atenção quando surgirem necessidades ou problemas que ainda não possuem solução. Fica a dica.

Falando do Guilherme

Guilherme é um rapaz de 23 anos, nascido em Santos, ex-aluno FGV, que já trabalhou em projetos sociais e que de forma muito inteligente compreendeu o maior sentido da palavra OPORTINDADE.

No seu LinkedIn você pode confirmar a afirmação anterior, pois é membro da Liga de Empreendedorismo FGV e a Movêu passou pela aceleração de Startups FGV Venture. 

É muito importante quando vemos um administrador cujas competências, listadas no LinkedIn, podem ser vistas pela performance num evento como esse workshop. Isto é, nitidamente líder, espírito empreendedor, compreensão das necessidades de planejamento estratégico para um projeto ser sucesso e, acima de tudo, humildade para estar em aprendizado constante.

Falando da empresa Movêu

Quando Guilherme mudou para São Paulo, teve que se adaptar a ambientes menores, coisa típica dos grandes centros urbanos e sentiu toda a dificuldade de consumo de móveis para espaços definidos. 

Ou seja, temos espaços com medidas exatas para encaixar móveis e esses móveis precisam ser funcionais e decorativos ao mesmo tempo. 

A partir dessa necessidade, verificou que não existiam empresas nesse nicho mercadológico e resolveu criar um projeto adequado a demanda.

A Movêu propõe personalização, design e praticidade. Além disso, preocupou-se com algo que é base para a empresa moderna: a sustentabilidade.

Em maio de 2021, surge uma empresa de móveis onde os clientes criam seus próprios móveis!

A sociedade entre Guilherme Kodja e Rodrigo Palandi já é um sucesso e atraiu investidores muito antenados: Pedro Conrade (do Neon), Claudio Bergamo (da Hypera Pharma) e Patrick Sigrist (Ifood). 

Uma boa oportunidade se faz de uma necessidade real, que se organizada na forma de negócio, com planejamento focado e inteligente tende naturalmente ao sucesso.

A empresa trabalha no modelo B2C, ou seja, diretamente com o consumidor final, pois dá ao cliente a oportunidade de participar na construção de seu móvel.

Vocês conseguem entender que isso traz uma visão de empoderamento para o cliente? 

O cliente é o foco, ele se sente assinando como artista do seu próprio móvel, mais do que isso ele torna o móvel totalmente funcional. 

A empresa está em expansão e em breve o cliente poderá além de definir altura e largura do móvel, poderá ver sua forma em 3D pelo site.

Mas a empresa traz um segundo ponto fundamental para o sucesso: a tecnologia utilizada para elaboração dos móveis, que dispensa parafusos e pregos. Adorei uma descrição que li na Revista Pequenas Empresas Grandes Negócios sobre esses móveis: um enorme Lego para gente grande! Isso é demais!

Quando citamos a sustentabilidade no começo da descrição da Movêu, estamos falando no consumo consciente de madeiras.

Convite para o site

Pessoal, vejam o site da Movêu, colocado abaixo e sigam esses talentosos empreendedores Guilherme Kodja e Rodrigo Palandi, vale a pena! 

Inspire-se, acredite que sonhos podem ser reais, mas não esqueça:

  • Tenha Foco, 
  • Planeje suas ações 
  • Encontre bons parceiros!

Home – Movêu (moveismoveu.com) 

Esse artigo se baseou no workshop na FGV, no LinkedIn de Guilherme Kodja e no artigo do PEGN.

Movêu, startup de móveis personalizados, recebe investimento de R$ 1,1 milhão – Pequenas Empresas Grandes Negócios | Startups (globo.com)