Skip to content

Oswaldo música e poesia

Oswaldo torna conceitos teóricos e práticos, poesia e música

As poesias e as músicas de Oswaldo Montenegro não só esteticamente perfeitas, são fundamentadas no entendimento do quotidiano humano, permitem a reflexão, causam a necessária desordem mental para o bom pensar e repensar de nossas vidas.

Vou mostrar isso, citando algumas e gerando provocações para que você possa pensar e quem sabe, mudar algo importante na sua vida!

Esse meu artigo quer levar o máximo de pessoas à vontade de pensar!

Pensar em cima de poesia de alta qualidade, moderna, dinâmica e muito atual!

Quero jovens de pensamento (independe da idade), conhecendo ou revendo uma obra muito próxima de nós.

Mas, para que essa experiência seja plena, entregue-se totalmente à leitura de cada uma das poesias apresentadas.

Conheça o site do artista: Oswaldo Montenegro

Lá (no site) você poderá saber dos shows, dos discos e de detalhes de sua carreira.

Ouça as músicas!

A entrega numa leitura e no ouvir de uma música está ligada a liberar sua capacidade de ser LIVRE, leia com total disponibilidade, sem medos, regras ou pressões, leia com sua alma livre…

Metade

“Que a força do medo que tenho

Não me impeça de ver o que anseio;

Que a morte de tudo em que acredito

Não me tape os ouvidos e a boca;

Porque metade de mim é o que eu grito,

Mas a outra metade é silêncio…

Que a música que eu ouço ao longe

Seja linda, ainda que tristeza;

Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada

Mesmo que distante;

Porque metade de mim é partida

Mas a outra metade é saudade…

Que as palavras que eu falo

Não sejam ouvidas como prece

E nem repetidas com fervor,

Apenas respeitadas como a única coisa que resta

A um homem inundado de sentimentos;

Porque metade de mim é o que ouço

Mas a outra metade é o que calo…

Que essa minha vontade de ir embora

Se transforme na calma e na paz que eu mereço;

E que essa tensão que me corrói por dentro

Seja um dia recompensada;

Porque metade de mim é o que penso

Mas a outra metade é um vulcão…

Que o medo da solidão se afaste

E que o convívio comigo mesmo

Se torne ao menos suportável;

Que o espelho reflita em meu rosto

Um doce sorriso que me lembro ter dado na infância

Porque metade de mim é a lembrança do que fui,

A outra metade eu não sei…

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria

para me fazer aquietar o espírito

E que o teu silêncio me fale cada vez mais;

Porque metade de mim é abrigo

Mas a outra metade é cansaço…

Que a arte nos aponte uma resposta

Mesmo que ela não saiba

E que ninguém a tente complicar

Porque é preciso simplicidade para fazê-la florescer;

Porque metade de mim é plateia

E a outra metade é canção…

E que a minha loucura seja perdoada

Porque metade de mim é amor

E a outra metade… também.”

Oswaldo Montenegro, nessa Poesia, traz a vocês a tradução do meu convite de encarar sua obra artística despudoradamente, livre e levemente. 

Todos nós temos dentro de nós a ambiguidade, a dualidade e a liberdade. Metade de mim é uma verdade e metade de mim é uma certeza, mas tenho outra metade de mim!

Tomei a liberdade de grifar algumas frases, nelas encaro tudo aquilo que nos torna tão humanos e duais.

Afinal, o livre arbítrio nos proporciona a liberdade de escolher, de viver e de encarar as situações da vida de acordo com o meu “Eu”.

Quem criou as ideias que te fizeram expulsar amores depois de um relacionamento?

A Lista

“Faça uma lista de grandes amigos

Quem você mais via há dez anos atrás

Quantos você ainda vê todo dia

Quantos você já não encontra mais

Faça uma lista dos sonhos que tinha

Quantos você desistiu de sonhar!

Quantos amores jurados pra sempre

Quantos você conseguiu preservar

Onde você ainda se reconhece

Na foto passada ou no espelho de agora

Hoje é do jeito que achou que seria?

Quantos amigos você jogou fora

Quantos mistérios que você sondava

Quantos você conseguiu entender

Quantos segredos que você guardava

Hoje são bobos ninguém quer saber

Quantas mentiras você condenava

Quantas você teve que cometer

Quantos defeitos sanados com o tempo

Eram o melhor que havia em você

Quantas canções que você não cantava

Hoje assovia pra sobreviver

Quantas pessoas que você amava

Hoje acredita que amam você

Faça uma lista de grandes amigos

Quem você mais via há dez anos atrás

Quantos você ainda vê todo dia

Quantos você já não encontra mais

Quantos segredos que você guardava

Hoje são bobos ninguém quer saber

Quantas pessoas que você amava

Hoje acredita que amam você”

Essa canção bate fundo no coração, pois nos coloca para pensar nas nossas relações, nas nossas “amizades”, no envolvimento e no comprometimento dessas relações. 

Essa canção faz muito bem, para quem se entrega, pois abre nossa mente e, quase nos obriga, a ver a realidade das emoções e das decisões tomadas nos relacionamentos.

A canção nos traz uma “dor” típica do ser humano, a dor do “tempo”, do passar do tempo, das mudanças e no medo de perder…

Sem Mandamentos

“Hoje eu quero a rua cheia de sorrisos francos

de rostos serenos, de palavras soltas

eu quero a rua toda parecendo louca

com gente gritando e se abraçando ao sol

Hoje eu quero ver a bola da criança livre

quero ver os sonhos todos nas janelas

quero ver vocês andando por aí

Hoje eu vou pedir desculpas pelo que eu não disse

eu até desculpo o que você falou

eu quero ver meu coração no seu sorriso

e no olho da tarde a primeira luz

Hoje eu quero que os boêmios gritem bem mais alto

eu quero um carnaval no engarrafamento

e que dez mil estrelas vão riscando o céu

buscando a sua casa no amanhecer

Hoje eu vou fazer barulho pela madrugada

rasgar a noite escura como um lampião

eu vou fazer seresta na sua calçada

eu vou fazer misérias no seu coração

Hoje eu quero que os poetas dancem pela rua

pra escrever a música sem pretensão

eu quero que as buzinas toquem flauta-doce

e que triunfe a força da imaginação.

…eu vou fazer seresta na sua calçada

eu vou fazer misérias no seu coração

Hoje eu quero que os poetas dancem pela rua

pra escrever a música sem pretensão

eu quero que as buzinas toquem flauta-doce

e que triunfe a força da imaginação.”

Essa canção nos permite entender o conceito de libertação.

Nos traz a liberdade do livre pensar, do livre amar e do viver plenamente.

Eu Quero Ser Feliz Agora

“Se alguém disser pra você não cantar

Deixar teu sonho ali pra uma outra hora

Que a segurança exige medo

Que quem tem medo Deus adora

Se alguém disser pra você não dançar

Que nessa festa você tá de fora

Que você volte pro rebanho.

Não acredite, grite, sem demora…

Eu quero ser feliz agora

Se alguém vier com papo perigoso de dizer

Que é preciso paciência pra viver.

Que andando ali quieto

Comportado, limitado

Só coitado, você não vai se perder

Que manso imitando uma boiada,

Você vai boca fechada pro curral sem merecer

Que Deus só manda ajuda a quem se ferre,

E quando o guarda-chuva emperra certamente vai chover.

Se joga na primeira ousadia,

Que tá pra nascer o dia do futuro que te adora.

E bota o microfone na lapela, olha pra vida e diz pra ela…

Eu quero ser feliz agora

Se alguém disser pra você não cantar

Deixar seu sonho ali pra uma outra hora

Que a segurança exige medo

E que quem tem medo Deus adora

Se alguém disser pra você não dançar

Que nessa festa você tá de fora,

Que você volte pro rebanho.

Não acredite, grite, sem demora…

Eu quero ser feliz agora”

Me inspira

A última das canções que eu trouxe para esse artigo é uma de minhas preferidas.

Eu acredito muito no poder do AGORA, do HOJE.

Gosto muito da ideia que o passado já passou e o futuro é pura incerteza, só posso mudar e viver agora.

Espero ter atingido meu objetivo de levar Oswaldo Montenegro até vocês, um menestrel que encanta, não só pela voz e pela qualidade de sua obra, mas pelos conceitos fortes e verdadeiros que transmite para mim:

VIVA O HOJE

COM LIBERDADE

COM INTENSIDADE

Imagem de capa: https://www.goias.gov.br/