Skip to content

Desafio! Papo Reto!

Vivendo e aprendendo sempre

Para começar esse texto, vou dividir os créditos dele com Guilherme e Carol, pois o primeiro me mandou duas músicas fantásticas e a segunda me fez rever conceitos e por isso, eu digo que, viver é aprender!

Vou começar o texto como a visão de um cara com mais de 50 sabe fazer bem…

Vou fazer um estudo e começar com uma frase chavão! 

Desde o início dos tempos, sempre tivemos vários tipos de músicas;

  • Música para dançar, nesse caso a letra não é o problema, só ritmo. E todo mundo vai sempre se divertir muito…
  • Pare um pouco de pensar tanto!!! Você merece! Pode ser Oh Abre alas, Ilariê, Alibabá ou as Poderosas! Desce até o chão! Dança na garrafa! Esquece tudo e todos!
  • Para de tentar filosofar em cima das letras, pois a música é para dançar muitoooooooo!
  • Não precisa nem ser de um idioma conhecido, até melhor que seja de uma língua que você sequer entende. O importante é que a batida te faça requebrar, pular, dançar.
  • Não entenda essas músicas como piores que as outras, elas só têm um objetivo claro: DIVERSÃO!!!
  • As românticas! Cuidado com elas, pois sempre tem dois lados!
  • Primeiro você vai dançar a dois, namorar, viajar! Tudo lindo! Depois quando acaba o romance é só para chorar! Aí vem a dor de cotovelo, o chifre ou o pé que levou! Em alguns casos, serve para ter saudades ou quando estamos sozinhos, faz companhia, enquanto a fila não anda!

Finalmente cheguei no meu objetivo, as músicas que são feitas para ouvir a letra com calma e pensar muito! Essas podem questionar, formar opinião, evidenciar problemas e transgredir!!!

Eu comecei esse texto depois que pedi a um jovem de 18 anos, que me passasse umas músicas com conteúdo forte, citei que queria ver letras que me fizessem pensar. Eu disse que gostava muito de ouvir Raul, Legião, Titãs, Chico, Gil, Caetano, Cazuza, Cassia Eller, Belchior, mas nos últimos 20 anos passei a curtir Seu Jorge, Gabriel Pensador, Ana Carolina e o Rappa.

Precisava conhecer algumas letras atuais que me fizessem pensar. Que me fizesse ter vontade de acreditar nos jovens e no futuro!

Ele me deu duas opções e aí resolvi escrever esse texto-desafio!!!

Desafio aos pais de plantão! 

Leiam as letras das músicas que seu filho ou neto está ouvindo, você pode se surpreender com a maturidade, inteligência e a verdade da letra. Não tenho filhos, mas tenho muitos amigos com filhos e netos que provavelmente curtam muito, as batidas mais fortes, ritmos mais pesados. 

Os pais se incomodam com o som alto e a batida e, na realidade, não tinham que se preocupar com isso, pois tem muita música com qualidade e verdade. 

Para começar, vamos nos despir dos nossos pré-conceitos e vocês vão encontrar poesia no palavrão bem colocado, força nas palavras de ordem, dor nas frases de preconceitos vividos, nas diferenças sociais, na pobreza de dinheiro e de espírito, na fuga pelas drogas e a bebida como alternativa. 

Como eles diriam, vou dar um PAPO RETO: “Nós já fomos assim!” Eu espero que você encontre dentro de você o cara que questionava muito, queria mudar o mundo e defendia suas posições!

PS.: Quando falo PAIS, falo para homens e mulheres!!! 

Guilherme, obrigado! Pelas duas músicas que me incentivaram a propor o desafio! Quero conhecer outras!!!

Primeira Música –  O que separa os homens dos meninos – SANT 

  • Aquele moleque sobrevive como manda o dia a dia
  • Tá na correria, como vive a maioria
  • Preto desde nascença, escuro de sol
  • Eu tô pra ver ali igual no futebol
  • Sair um dia das ruas é a meta
  • Sem espaço pra emoções, a rua ensina
  • Que se eu seguir só o meu coração, me fodo na próxima esquina
  • É mais que rima, é mais que som, é mais que sina
  • É, mas que porra, Sant? É minha vida e o beat em cima, óh
  • Imagina eu já passei por cada coisa, mano
  • Explica o que é divórcio pra uma criança de três ano’
  • Sem rumo e sem plano
  • Minha família é a minha coroa, se tu entende o que eu tô falando
  • Meu pai só vem aqui de vez em quando
  • Mas pelo menos aparece, por isso mesmo eu não reclamo
  • Sem rumo e sem dano, só que é foda ver
  • Que só chapado ou culpado que ele me diz eu te amo
  • Essa é a manifestação de um filho pródigo
  • Rima em código, linguagem suburbana
  • Viagem subumana, é lógico
  • Não sou o próximo a jogar minha sorte pro destino
  • Isso é exatamente o que separa os homens dos meninos
  • Normal no meu convívio é crescer sem pai, ó’ que triste
  • Nóis no rap preza a família, mas a nossa de sangue não existe
  • Não sou daqui, mente é Plutão, coração Faixa de Gaza
  • Já viu alguém pedir licença pra entrar na própria casa?
  • Talvez quem tinha que tá vivo era meu irmão
  • Que foi abortado e vei eu: péssimo filho
  • Doente, fedendo à pecado, mas tenta não pirar
  • Tendo dinheiro, conceito e buceta
  • Auge da tua adolescência com drogas na gaveta
  • Raro mesmo é tu ser humilde quando o poder tá em porte teu
  • Procurar o erro nas pessoas quando o errado mesmo sou eu
  • Fumei demais, bebi demais, envaideceu
  • Me senti o dono do mundo e todo mundo me fodeu
  • Pra mostrar que quando se é jovem, amigo de escola é parente
  • Qualquer amigo de baile é parente, teus parente tu vê diferente
  • Muitas mulheres, poucos amores, minha guia até arrebentou
  • Sou a cara de meu pai, vou morrer sozinho com o meu rancor, igual a ele
  • Predestinado a ser um merda
  • Teu sofrimento não é nada comparado a o que você herda
  • Criança que se auto-deserda antes do corte umbilical
  • Nascimento? Erro de cálculo, ninguém sabe o que é natal
  • Mas não me olha assim
  • Cada qual tem o seu inferno astral que a si consome
  • Se eu sou um garoto, Leone, as circunstâncias me fizeram homem

Segunda Música – Jaguar (PrimeiraMente)

Froid part. Raillow (PrimeiraMente) - Jaguar (Prod.TH) - YouTube
Foto do Clipe Jaguar – Primeiramente

Letra intensa e bastante longa…

  • Segue a letra e ao lado uma explicação detalhada de Carol sobre os sentimentos e sentidos embutidos nela.
  • Num primeiro momento, podemos nos confundir sobre as intenções da música!
  • É muito importante ouvir a música! Mais importante ainda, buscar um jovem para fazer a leitura correta!

Jaguar (PrimeiraMente) – Froid e participação de Raillow

Vou reproduzir a letra sem parágrafos, mas vou destacar alguns trechos

Eu fujo como jaguar A hora estou a léguas Aqui que eu desse fumo Daqui que eu vejo tudo Não vou voltar pras trevas Escuto a voz de fundo Reduzem as florestas Pra construir mais celas Porque criar favelas Pra exercitar canelas Pra fabricar mulheres Pra ariar panelas Mumificar os homens Embebedar crianças Não tens pena do mundo Foder não é uma transa Por onde eu passo eu deixo Alguém com a mão no queixo To com uns pano de brechóDistribuindo beijo A 110 no exão vo com a mulher pro brejo Botar os pés no chão ouvindo Tyler the creator Em auto e bom tom E realmente não pertenço Sou livre como incenso depois da carburação Sou a mesma pessoa Esse papo cessou Se sabe que magoa Mas faz só pela sensação Um fala pra ir devagar Não tenho paciência Por nem uma doutrina Muito menos clemência Por nem uma quantia Talvez pela agencia E o que seria da farmácia Se a gente fumasse a cura das doenças Pulei pra dar o troco Me pegaram na croco Vão me levar pro tronco Já sei o que vão me propor Que vão me dar um pouco Em cima do meu trampo (hã) Eu quero é tudo Azar de quem me topo No meio desse encontro Eu sei que eu falo muito As vezes sonho cenas Das coisas que eu escuto Eu acordei um monstro Faz tempo que eu não durmo Mas eu duplico o lucro Com um quarto do produto Desarrumei minha vida Em vinte e duas páscoas Em tanga tire pedras Ou engatilhe facas Mandei sinais de alerta Até pombos com cartas Mas não tive respostas E agora sigo ignorando as placas Então vai Solta o verde e enche a taça Esse mundo ainda me mata Amor se você não me matar de amor Acho que eu te mato de raiva E eu vou ser o que ninguém esperava Vou andar nessas ruas até o fim da jornada Com a roupa que me veste melhor Com um olho na esquina e o outro na barca E o mundo gira normal Enquanto o poeta se estraga Pela inspiração e a condição de tudo E a gente morre e mata Então corre parsa pro outro lado do mundo Pro outro lado do mapa Crava o sucesso na mente deles O dinheiro pra comprar tudo Respeito para abrir as águas O universo de farsas, uma de sinc e duas cachaças A morte de olhos brancos Veneno na capsula ff mana, se não me entendeu direito o que eu quero pra mim O que eu quero pra mim é tudo que todo dinheiro do mundo não paga É tudo que todas as drogas do mundo não apaga Nem que seja eu contra o mundo e mais nada Nem que tu seja a última e eu o ultimo cara Se eu quiser falar de amor eu falo Se eu quiser consumir tudo eu consumo E nem é porque sou eu que pago É porque o que vai me matar sou eu Não essa vidinha chata Perdendo sangue mas não a graça Ganhando tempo dominando as praças Ela acompanhou meus passos nas noites Confio muito nela achando que saudade não passa Mas passa, e vi que tudo passa E que eu mando em mim No meu camarim Conceito na quebra e respeito pros parsas

Opinião e explicações de Carol com muito foco!

A segunda música foi a que eu mais gostei. Ela não é uma apologia às drogas, mas sim o oposto. Levei um tempo até vislumbrar o sentido real das letras do rap.

É bastante complexo e dotado de uma matemática singular. A métrica é bem difícil de compreender e às vezes, a frase que se inicia em uma estrofe, ganha sentido após as estrofes,
Guilherme me fez compreender a interpretação dos versos. 

Se você, como eu e Cosmo, conversar com um jovem, no nosso caso o Guilherme, vai se surpreender com o que deixou de perceber e o quando sua percepção era equivocada.

Após essa conversa vou colocar aqui minha percepção particular, tipo muito particular.

  • Eu tinha 20 anos. 
  • Tinha perdido tudo. 
  • Consegui uma oportunidade em São Paulo e fui pra lá. 
  • Só tinha dinheiro pra ir. 
  • Resumo da ópera, acabei indo parar na zona de prostituição de sampa, com frio, muita fome (a fome dói de verdade) e nenhum sentido pra vida. 
  • As baratas andam por cima de seus pés, as pessoas são “sujas” e estranhas. 
  • É um ambiente surreal e escuro e sua mente começa a te pegar peças. 
  • Por ser noite e estar escuro, seus pensamentos também ficam assim. 
  • Por mais que você lute, você está preso àquela “lama”. Não vê saída. 
  • Acredite! Você quer desesperadamente sair, acreditar em alguma coisa, qualquer coisa, mas simplesmente, não consegue.
  • “Tudo” te puxa pra baixo. 
  • Você mesmo alimenta seu medo e desespero gerando mais medo e desespero.
  • Eu não fui pro lado da droga nem sei bem porquê. 
  • Talvez eu tenha mesmo alguns anjos que me protegem porque saí de lá resgatada por um deles.
  • Muitos entram pra drogas até pra aliviar a fome.
  • Nessa situação você não consegue enxergar com clareza a realidade dos fatos. 
  • É um círculo viciante, literalmente. 
  • Você vê o pior do ser humano e somente isso. 
  • Toda a minha experiência com viciados, traficantes, gigolôs, cafajestes e bandidos, não incluiu assassinos ou ameaças de morte. 
  • E foi só uma passagem por este sub mundo. 
  • Nem consigo imaginar quem convive com essa realidade todos os minutos da vida.
    O rap é o mais próximo de um grito de socorro. 
    Uma maneira de extravasar a indignação. 
  • A letra, na grande maioria das vezes, é o oposto do que pensamos.

Esses textos, como eu disse inicialmente, são um desafio…

Foi um desafio para mim, para Carol e acho que até para Guilherme!

Pois essa é sua função: Questionar!

Criar debate, buscar SOLUÇÃO! 

Isso é muito COMUD! 

SABEDORIA gerada pelo conhecimento, sem preconceito, sem medo, sem travas!

Como aprendi com meus jovens novos amigos: “TAMO JUNTO”!

Os jovens querem ser ouvidos e nós devemos ouvi-los!