Skip to content

Já ouviu falar em energia eólica?

Novas opções de geração de energia

Em primeiro lugar, não sou um especialista da área, mas nesses últimos dias, li alguns artigos que falavam sobre energia eólica, novas tecnologias e muitas oportunidades no Brasil. 

Por exemplo, li um texto interessante de Waldemar Martins, sobre a experiência da Neoenergia nas comunidades na Paraíba.

O texto apresentava o uso da energia eólica no Complexo “Chafariz”, uma enorme expansão de uso dessa energia na região, uma instalação de aerogeradores e produção de muita energia renovável!

Serão 15 parques eólicos, que quando entrarem em operação terão capacidade instalada de 471 MW, um dos mais modernos e eficientes do mercado!

E, em 2022, a Neoenergia vai ainda ampliar mais 15 parques, tornando o complexo um dos maiores da empresa no mundo e também do país. 

A empresa está qualificando os moradores para serem seus profissionais, nas áreas da obra civil, pedreiro, carpinteiro, montador e elétrica básica, parceria com o SENAI.

Esse artigo me levou a outras leituras importantes e resolvi aguçar o seu interesse no assunto!

Alguns fatos chamam a atenção:

  • Europa trata energia eólica como prática constante, sem resíduos e sem impacto ambiental.
  • Muitos países no mundo estão começando a instalar parques eólicos e solares.
  • O IBAMA já está padronizando a atuação na área, diante das demandas e da oportunidade que se abre.

A Energia eólica é a transformação da energia do vento em energia útil.

Aerogeradores produzem eletricidade!

A energia eólica é renovável, está permanentemente disponível, está em toda parte, é limpa, não produz gases de efeito estufa e necessita de pouco espaço no solo e baixo impacto ambiental. 

Portanto a costa marinha possui enorme capacidade de produção e no caso do Brasil isso se torna ainda mais interessante!

Os parques eólicos são conjuntos de centenas de aerogeradores individuais ligados à uma rede de transmissão de energia elétrica. 

A energia eólica já está funciona em mais de 80 países.

Existem dois formatos de energia eólica:

Mecânica 

Usada pelos barcos, a resistência lateral à ação do vento permite o deslizar das embarcações à vela. 

Esse modelo é usado desde a antiguidade para mover os barcos e para fazer funcionar as engrenagens dos moinhos. 

Nesse segundo caso, a energia do vento era transformada em energia mecânica, usada por exemplo na moagem de grãos e para mover a água.

Já existiam relatos do uso mecânico na Pérsia, chegando a China e Índia, e muito usados na Europa para moagem de farinha e na drenagem de terras alagadas para cultivo ou construção. 

Foram os europeus que trouxeram o conceito para as Américas.

Elétrica 

Uma turbina eólica foi criada por Charles Francis Brush em 1888, e em 1887 Blyth, um engenheiro escocês, construiu uma turbina com pás de tecido no jardim e aproveitou a eletricidade produzida para carregar acumuladores que usava para iluminar a sua casa. 

A partir daí, tivemos uma sequente evolução com destaques para o uso na Europa e América do Norte.

Em 1975, a NASA, nos Estados Unidos, elaborou um projeto de desenvolvimento de turbinas eólicas, buscando incorporar essa energia na rede de distribuição. 

Esse projeto cresceu muito diante do potencial apresentado. Apesar de inúmeras vantagens, são necessários estudos de mapeamento, medição e previsão dos ventos, a energia eólica não poderia ser considerada uma fonte de energia confiável. 

No Brasil, por exemplo, não há muitos dados sobre o regime de ventos e pode ser verificado maior ou menor potencial, de acordo com a época do ano.

Problemas a se estudar:

  • Viabilidade financeira, instalação e manutenção caras;
  • Poluição sonora;
  • Poluição visual;
  • Interfere na rota migratória de pássaros.

Países que se destacam no seu uso: 

  • EUA
  • Alemanha
  • França
  • Dinamarca 
  • Portugal
  • Espanha, 
  • Irlanda 

Mas, no mundo, representa apenas 2,5% do total gerado por todas as fontes.

O custo da geração de energia eólica tem caído e deve cair ainda mais com o tempo.

No Brasil merecem destaque:

  • Alto Sertão I, Bahia
  • Parque eólico de Osório, Rio Grande do Sul.
  • Parque do Cerro Chato, Rio Grande do Sul.

Poderá ser uma alternativa para o Nordeste diante do regime de ventos, pois são mais fortes no período de baixas das opções com hidroelétricas, evitando as termoelétricas.

Está previsto um crescimento na participação da fonte de energia eólica na matriz energética brasileira.

Impactos

As fazendas de turbinas terrestres causam um impacto visual significativo, sendo ruins para o turismo local; 

Afeta a vida selvagem. Afetam muitos pássaros e morcegos, que não identificam os mecanismos, se chocam contra eles e morrem.

Existem estudos e relatos das forças armadas americanas sobre a interferência desses equipamentos em radares.

Erroneamente usa-se os terrenos ao redor das turbinas eólicas para criação de gado ou industrialização rural, causando impacto ambiental;

No Brasil infelizmente quando se libera uma área para produção eólica, se quebram as proteções ambientais locais, dessa formam flexibilizam áreas de preservação ambiental, causando impactos.

Conclusão

Não sou um profissional da área, mas vi muitas possibilidades de novos postos de trabalho, impacto ambiental menor em comparação com os demais na produção de energia! Achei muito bom dividir com o pessoal da COMUD!

O impacto ambiental da energia eólica, quando comparado ao dos combustíveis fósseis, é relativamente pequeno.

Um dos menores impactos no aquecimento global.

Faz parte do espírito da COMUD mostrar assuntos diversos e novas oportunidades. Se gostou, estude mais o assunto e, se quiser, nos mande novas informações!

Textos serão muito benvindos!