Skip to content

A praça do vovô

Aprendendo com quem pode educar

Vou contar uma história muito linda hoje, pois é baseado numa história real e pode educar mais que muitas teses e grandes experiências.

Era uma vez um aposentado, que mesmo tendo perto dos 70 anos, tinha muita energia e vontade de viver. 

Morava em frente a uma praça, que era tão abandonada e triste.

A natureza nos sorri muito quando cuidada, mas ela sofre quando abandonada.

Naquela praça não tinha torneira, não tinha muita planta, brinquedos, era feita de concreto e às vezes um caminhão passava e lavava tudo.

Faltava vida, faltava árvore, só tinha canteiro seco, faltava flor, faltava cor, faltava criança correndo.

Um dia aquele vovô resolveu que isso podia mudar, bastava que uma pessoa acreditasse na mudança!

Chegou para sua companheira e disse que ia plantar árvores naquela praça, que elas dariam sombra, vida e beleza para os netos brincarem.

Foi o que ele fez, buscou mudas de árvores e distribuiu pela praça, foi então que se deparou com seu primeiro desafio, como iria regar aquelas lindas mudas? A praça não tinha torneiras…

Isso não o faria desistir, passou a aguar as árvores com um regador, ele enchia seu regador e caminhava até cada uma delas e colocava água, devagarinho elas foram crescendo. Pensa que ele parou nas árvores?

Em seguida ele plantou flores…

Depois de um tempo a praça tinha vida, não era só de verdes, tinha passarinhos, borboletas, e você acredita tinha gente! Namorados, crianças e os moradores começaram a ver que a natureza precisa ser alimentada e enche nossos corações de alegria. Começaram a querer ajudar!

A Prefeitura vendo aquele movimento tratou de fazer a sua parte e colocou torneiras, pois a Praça tinha o principal, um jardineiro apaixonado, um homem que fazia a diferença.

Com o tempo as plantas começaram a tomar espaço e o lugar estava cada dia mais bonito, pessoas de outros bairros vinham conhecer e admirar. 

Como mágica outros avós, tios e jovens se inspiraram e começaram a propagar a ideia para outros locais cinzentos e tristes.

Foi nesse momento que o senhor Newton se encheu de orgulho, a Praça ganhou seu nome! Quer coisa mais linda? 

Ele agora tinha seu nome numa praça, isso não era vaidade, era orgulho de mudar pessoas, mostrar o quanto é bela a natureza, a vida, o mundo.

Imagina o orgulho de sua família?!?!?

Não existe tempo para viver um sonho quando ele é verdadeiro!

Você pensa que ele parou nisso?

Claro que não, afinal as crianças precisavam brincar e sorrir mais, estava na hora de ter um parquinho e mais verde e mais flores…

Depois vieram as mesas e as luzes.

A educação não está somente na escola e na família, está na sociedade como um todo, Sr. Newton estava educando gente a ser mais gente. Estava ensinando a amar ao outro, a cuidar da natureza e da vida.

Aquele senhor ensinava respeito aos transeuntes, indicando lixeiras, ensinava sobre cuidado com o coletivo, ensinava sobre garra e força para atingir objetivos. 

Cada banco daquela praça ouviria histórias de vidas, antes eram apenas espaços vazios.

As calçadas daquela praça e o seu centro poderiam chamar a atenção de músicos e artistas, eles poderiam dividir com o público sua alma artística.

Infelizmente não podemos plantar árvores em apartamentos, mas podemos plantar na nossa rua, na praça e em locais adequados.

Lembre-se o verde das plantas e das árvores traz outras cores, pois as borboletas, as mariposas e os passarinhos podem colorir nossas vidas…

Essa história é uma obra de ficção que se baseou em duas publicações sobre Sr. Newton Godoy de Mello publicada na Gazeta do Povo, morador de Lins e exemplo para muitos.

Obrigado ao protagonista pelos ensinamentos e aos jornalistas e fotógrafos que me inspiraram a criar um conto, a partir de uma história real.

https://www.semprefamilia.com.br/virtudes-e-valores/idoso-de-85-anos-transforma-terreno-baldio-na-praca-mais-bonita-da-cidade/
https://conteudo.solutudo.com.br/lins/linense-que-construiu-uma-praca/