Skip to content

Anjos e arcanjos

Partindo da ideia de que Deus é o Criador da totalidade do mundo, tanto das realidades visíveis (materiais), quanto das invisíveis (espirituais), a Bíblia e a unanimidade das tradições judaicas e cristãs admitem a existência de seres puramente espirituais, incorpóreos, imortais, dotados de inteligência e vontade, que superam, em perfeição, todas as criaturas visíveis. 

Tais seres são chamados de “Anjos”, cuja existência, para a Igreja Católica, é uma verdade de fé

Os anjos são servidores de Deus e enviados para manifestarem Sua presença concreta no mundo e Sua intervenção na história humana (Catecismo da Igreja Católica, 328-336).

A ideia da existência dessas criaturas do mundo celestial é proveniente da consciência progressiva do monoteísmo judaico, posteriormente compartilhado pelo Cristianismo e pelo Islã. 

Uma imagem contendo em pé, luz, grupo, azul

Descrição gerada automaticamente

Na Bíblia, numerosos textos relatam intervenções na história de Israel, de Abraão, de Moisés, de Jesus e na Igreja primitiva ou na fé cristã. Foi através de um anjo que se revelou o nascimento de João Batista (Lc 1.11-20), a encarnação do Filho de Deus a Maria (Lc 1.26-38); o nascimento da criança divina em Belém, aos humildes pastores (Lc 2,9-12)

Depois, os anjos voltaram com força, no domingo de Páscoa, anunciando a Ressurreição de Jesus e, mais tarde, apareceram como testemunhas privilegiadas da Ascensão do Senhor ao céu (Atos 1.10).

A Igreja peregrina na terra, especialmente na liturgia eucarística (missa), está associada às hostes de anjos que cantam a glória de Deus na Jerusalém celeste (cf. Ap 5, 11-14; Vat. II, Lumem Gentium). 

ARCANJOS:

A Sagrada Escritura menciona uma categoria especial de anjos, chamados de “Arcanjos”, que significa “líder os anjos”; título que deriva da ideia de uma corte celestial, na qual, os anjos estão presentes em diferentes graus e dignidades. 

Esses têm a tarefa de preservar a transcendência e o mistério de Deus, ao mesmo tempo que tornam presente e perceptível a proximidade salvífica divina.

Os Arcanjos são aqueles que estão à frente das hostes angelicais, servindo a Deus dia e noite, contemplando o Seu rosto e O glorificando incessantemente. 

Mesmo que não faltem variantes que incluam outros nomes nas várias fontes judaicas e cristãs, que citam sete arcanjos principais, a Igreja moderna aboliu o culto aos Arcanjos, que não são mencionados diretamente nas Sagradas Escrituras e celebra três deles: 

Gabriel

Gabriel (“força de Deus”) é um dos espíritos que se colocam à frente (Lc 1,19), revela a Daniel os segredos do plano de Deus (Dan 8,16;9,21-22), anuncia o nascimento de João Batista (Lc 1, 11-20) e à Maria, o de Jesus (Lc 1,26-38); 

Pessoas na frente de um espelho

Descrição gerada automaticamente com confiança média

Duccio di Buoninsegna, (1308-11) National Gallery, London..jpg

Uma imagem contendo edifício, mesa

Descrição gerada automaticamente

Miguel

Arcanjo Miguel (em hebraico “quem como Deus?”), é aquele que se levanta contra Satanás e seus seguidores (Deut 9; Apoc 12,1-2; Zc 13, 1-2), é o defensor dos amigos de Deus (Dan10,13,21), protetor do seu povo (Dan 12,1); 

Desenho de uma pessoa

Descrição gerada automaticamente com confiança média

Rafael

Rafael (“Deus salva”), é o que entre os sete anjos que estão diante do Trono de Deus, acompanha e guarda Tobias nas vicissitudes do seu caminho e cura o seu pai cego (Tob 12,15; cf. Apoc 8,2).

A festa dos Arcanjos na Igreja se dá em 29 de setembro. 

Desenho de uma pessoa

Descrição gerada automaticamente com confiança média

 ANJOS DA GUARDA

Desenho de uma pessoa

Descrição gerada automaticamente com confiança média

Sem jamais formular uma definição dogmática a respeito do Anjo da Guarda, o magistério da Igreja afirmou, em particular no Concilio de Trento (séc. XVI), que «desde o seu início até à hora da morte, a vida humana está rodeada pela sua proteção e pela sua intercessão» (Catecismo da Igreja Católica, n. 336). 

Estátua de personagem de desenho animado

Descrição gerada automaticamente com confiança média

Então a vida humana tem seu próprio anjo, (como afirmam Tertuliano, Agostinho, Ambrósio, João Crisóstomo, Jerônimo e Gregório de Nissa, entre outros). 

Esta declaração é baseada na Bíblia, onde há esta referência é explícita, no Êxodo 23, 20, no Salmo 91, 11

Pintura de homem com os braços para cima

Descrição gerada automaticamente com confiança média

O próprio Jesus fala dos anjos da guarda: 

Não desprezeis nenhum desses pequeninos, pois eu vos digo que os seus anjos nos céus veem sem cessar a face do meu Pai que está nos céus(Mt 18,10).

 Mas, na realidade, a consciência da existência de um anjo da guarda, colocado por Deus ao lado de cada ser humano, afunda nas brumas do tempo, com base em tradições orais e escritas anteriores, do VI séc. a.C., em que descobrimos que Deus diz: 

Vou enviar um anjo que vá à tua frente, que te guarde pelo caminho e te conduza ao lugar que te preparei(Êx. 23,20). 

Poetas também cantaram elogios aos anjos da guarda como um sinal da preocupação de Deus pelos homens e de seu imenso amor, feito de misericórdia e ternura. 

O Papa Francisco fala que o “respeito e escuta a este companheiro de caminho, se chama docilidade aos conselhos deste companheiro de caminho”, que é o nosso anjo da guarda.

A festa dos anjos da guarda foi oficializada na liturgia da Igreja Católica em 1608, para o dia 2 de outubro e também se esclareceu definitivamente o texto da oração mais conhecida das crianças, condensada a partir de um longo poema de um monge inglês do final do séc. XI: 

Santo Anjo do Senhor, meu zeloso guardador, se a ti me confiou a piedade divina, sempre me rege, me guarda, me governa, me ilumina. Amém.

Desenho de um bebê

Descrição gerada automaticamente com confiança média

O ANJO DA GUARDA- ternura de Deus

Os anjos lotam as obras de arte com sua graça, sua beleza. 

São o assunto onipresente nas igrejas, nas casas, enfatizam o poder e a gloria de Deus: 

Cachorro deitado de barriga para cima

Descrição gerada automaticamente com confiança média
(Pietro da Cortona -Palazzo Barberini, Roma).

A Virgem Maria quase sempre está rodeada por eles – ela é a Rainha dos Anjos – assim como os santos estão acompanhados por eles. 

Os anjos são a representação de criaturas que não vemos, mas que preenchem o céu e a terra com a sua presença que sempre nos protegem ao longo do caminho da vida.

O ANJO DA GUARDA – nunca nos abandona

Ele é um sinal da preocupação de Deus pelos homens e de seu imenso amor, feito misericórdia e ternura, mas nós, humanos, devemos ouvi-lo, pois ele é amigo e companheiro de viagem, que nunca nos abandona. 

Como lembrou o Papa Francisco, nos lembrou nas suas meditações sobre o Anjo da Guarda: “Um amigo que não vemos, mas sentimos”. Um amigo que, um dia, “estará conosco no Céu, na alegria eterna”. 

E reitera Francisco: «o Anjo é para nos ajudar a não percorrer o caminho errado». Ele tem autoridade para nos guiar, mas necessitamos da oração, do nosso pedido de ajuda, precisamos ouvir a sua voz e não nos rebelarmos contra ele. ‘Nosso anjo – destacou o Papa – não está conosco apenas, mas vê Deus Pai, está se relacionando com Ele. É a ponte quotidiana, desde o momento em que nos levantamos até à hora de nos deitarmos, nos acompanha e nos une com Deus Pai … o anjo é a porta quotidiana da transcendência, do encontro com o Pai’: isto é, ‘nos ajuda a irmos em frente porque olha para o Pai e conhece o caminho’.

Os nomes dos anjos

Além dos arcanjos, aprendemos que todos temos um Anjo da Guarda. 

O Papa Francisco pergunta: 

Você sabe o nome do seu anjo?” 

Na verdade, essa pergunta é um convite para você estabelecer uma relação íntima com o seu anjo da guarda, ouvi-lo, e tomar consciência das coisas de Deus envolvendo você. 

Padre religioso, trabalha na paróquia São João Batista do Brás.