Skip to content

Reduzir gastos muitas vezes não é economizar

Economias burras.

Você sabia que algumas economias podem gerar prejuízo?

Antes que você diga que eu estou louca, sugiro que termine de ler o artigo. Claro que todos nós queremos economizar, fazer um pé de meia e investir mais e melhor. Por sinal, este é o objetivo deste canal.

Mas, às vezes, o tiro pode sair pela culatra. São as chamadas economias burras, que podem gerar perdas de tempo e dinheiro.

Vou dar algumas dicas para que evite essas economias que podem até parecer boas à primeira vista.

  1. Fazer plano de longo prazo na academia de ginástica

Lógico que querer se exercitar é uma coisa boa e investir em sua saúde é um dos melhores investimentos que você pode fazer por você.

Porém, antes de se comprometer por tanto tempo junto à academia não seria melhor primeiramente criar o hábito de se exercitar?

Você pode até estar super entusiasmado para emagrecer e conquistar mais saúde, mas será que você realmente continuará a se exercitar durante toda a duração do contrato?

Do contrário, você possivelmente cometeu um erro caro.

Também faça um período de teste junto ao estabelecimento para ver se as instalações lhe atendem, se os horários das aulas são adequados para você, se os funcionários são atenciosos.

Enfim, tenha certeza que aquela academia vai lhe atender antes de fechar um contrato por tanto tempo.

Verifique se você pode obter uma avaliação gratuita ou uma taxa especial de curto prazo. Provavelmente será maior do que uma taxa mensal em um contrato de longo prazo, mas vale a pena o custo no curto prazo.

Por fim, se você decidir se associar como um membro de longo prazo, leia com atenção as letras miúdas sobre as políticas de cancelamento, custos extras e garantias.

  1. Refeições Fast-Food

Os cardápios de restaurantes fast food podem ser mais baratos, mas com o tempo esse comportamento pode ter um preço muito mais alto.

Pesquisas revelam que a maioria dos itens de grandes fast-foods são ricos em gordura saturada, sódio e colesterol. E muitos itens estavam associados a um risco maior de câncer. Vamos combinar que comprar um sanduiche baratinho, mas que no longo prazo pode comprometer sua saúde não vale a pena né?

  1. Fazendo você mesmo os reparos

Às vezes é apenas mais barato pagar um profissional, especialmente por serviços que consomem muito do seu tempo ou que exigem algum conhecimento sério.

Vou dar um exemplo aqui de casa. Tivemos uma infestação de pombos no telhado e pesquisamos várias formas de espantar os ratinhos alados. Uma coisa, porém, dificultava muito o serviço. Nossa casa é muito alta e com telhado bastante inclinado. O risco de queda era muito grande uma vez que não tínhamos experiência com este serviço. Contratamos uma empresa e eles fizeram o trabalho rapidamente e de forma segura.

Vou aproveitar e deixar uma dica para economizar. Falamos com nossos vizinhos e todos estavam com os mesmos problemas que nós. Contratamos a empresa e fechamos um pacote para 4 casas. O preço caiu quase 40%.

  1. Compras no atacado 

Quando se compra em grandes quantidades pode até ser que o custo por unidade seja menor do que em um supermercado, porém a menos que você consiga consumir tudo, é um desperdício de dinheiro.

Antes de efetuar as compras em atacadões, verifique se realmente há necessidade de consumir aquela quantidade ou então se organize com amigos ou familiares para dividirem certos itens para que seja vantajoso para todos.

  1. Comprar sempre o mais barato

Posso afirmar categoricamente que nem sempre comprar o produto mais barato é sinônimo de economia.

Pode inclusive te dar prejuízo.

De que adianta comprar um produto com preço inferior aos demais, porém que em pouco tempo pode apresentar defeitos e te levar a ter que comprar um substituto em pouco tempo?

Vou te dar um exemplo, compramos um mixer de uma marca com uma reputação não muito boa no mercado, porém tinha preço bem abaixo dos concorrentes. Resolvemos arriscar! Não deu outra! Em pouco tempo deu problema e precisamos substituí-lo. 

A lista de exemplos pode ser bem extensa, afinal de contas quem nunca se deparou com uma situação similar ao comprar roupas, sapatos, móveis?

A dica é: antes de comprar, analise custo versus benefício, melhor pagar o valor adequado para ter um produto ou serviço em boa qualidade e que vai durar muito tempo ao seu lado.

  1. Aproveitar todas as promoções

As promoções do tipo leve 3, pague 2 podem ser uma cilada! Essas compras só são válidas quando você já tinha a intenção de comprar os itens ou caso haja necessidade, caso contrário você pode estar jogando dinheiro fora.

Já pensou comprar alimentos a mais e terminar tendo que jogar fora pois não conseguiu consumir dentro do prazo de validade?

Quem nunca deixou se levar pela placa de promoção e acabou comprando roupas ou sapatos que não precisava? Saiba que itens comprados e que não são utilizados também são prejuízo, não só para seu bolso, como também para o meio ambiente.

Portanto, tenha sempre em mente que só vale a pena comprar itens em promoções caso eles sejam efetivamente úteis.

  1. Não curtir momentos

Algumas pessoas ficam tão obcecadas em economizar ao máximo que que não se permitem viver momentos felizes com familiares e amigos. É claro muitos destes momentos não custam um centavo e são extremamente valiosos. Mas não se prive de todo lazer apenas para cortar gastos.

Que tal reservar uma parte do seu orçamento para lazer? Fazer uma viagem em família, sair para jantar com o maridão, levar as crianças em um passeio especial!

Lembre-se que o dinheiro é que deve nos servir e não ao contrário.

Ele é apenas uma ferramenta para atingirmos nossos objetivos. 

Não seja sovina, mão-de-vaca ou pirangueiro! Há uma diferença grande em economizar para investir e fazer economias burras!

Seja inteligente nas suas escolhas no dia-a-dia, principalmente em gastos cotidianos e impensados. Desta forma será possível planejar a conquista de sonhos – objetivos de curto, médio e longo prazo. É preciso ter em mente que economizar não é necessariamente pagar o preço mais barato em todas as compras, pelo contrário.

Conta pra mim, aí nos comentários, quais economias burras você já fez?