Skip to content

Temperos básicos

Cebola, gengibre, mostarda, alho e pimenta

Esse texto não pretende esgotar o assunto temperos, mas trazer algumas informações básicas sobre aqueles temperos deliciosos que estão disponíveis para todos, têm preço acessível e são largamente comercializados em feiras e mercados.

Cebola

Essa delícia veio de muito longe, do Oriente, é muito difundida no mundo todo e o brasileiro se adaptou muito ao seu uso.

A medicina natural considera a cebola um alimento muito bom para regular a diabete, ajuda no tratamento de gripes e resfriados, pois é rica em vitamina C.

Mas, se pensar bem, uma sopa ou creme de cebola realmente tem seu lugar num bom cardápio. Seu sabor é delicadamente ácido e revigorante.

Eu adoro ver uma cebola fritando numa frigideira, pronta para ser base de vários pratos, mas ela fritinha sobre alimentos também dá um toque especial.

Gostaria de citar ainda, que a cebola empanada (onion rings) e a cebola recheada são receitas deliciosas. 

Infelizmente, o seu cheiro não agrada a todas as pessoas.

Gostaria de agregar à cebola informações fora desse conceito culinário: seu formato em capas que se acumulam e protegem são vistas como um símbolo muito especial em várias culturas, sendo consideradas simbólicas em culturas e cultos espalhados pelo mundo.

Acho muito interessante reproduzir uma frase da Wikipedia:

“Ramakrishna compara a estrutura folhada do bulbo, que não chega a nenhum núcleo, à própria estrutura do ego, que a experiência espiritual debulha, camada por camada, até a vacuidade. A partir daí, nada mais constitui obstáculo ao espírito universal, à fusão com Bhrama.

No plano mágico, os egípcios se protegiam de certas doenças com hastes de cebola.

Os latinos, segundo Plutarco, proibiam o uso do bulbo, porque acreditavam que ele crescia quando a Lua diminuía. Quanto ao cheiro, provocava um sentimento de força vital.”

Você pode, nesse texto, compreender que a cebola está presente de forma especial em várias culturas, muito distintas.

Gengibre

Esse sabor forte e exótico tem sua origem na ilha de Java e é muito usado em pratos indianos e chineses e, hoje em dia, muito apreciado no Brasil.

Eu adoro um chá de gengibre. No Brasil, esse chá ganhou uma variação, o famoso “Quentão”, quando se acrescenta a cachaça e o açúcar. Uma das iguarias típicas nas festas juninas. 

Ainda criaram o vinho quente, onde a cachaça é substituída por vinho. Bebida energética e deliciosa.

As pessoas dizem que ele ajuda na circulação e abaixa a febre, pois estimula a transpiração.

Gosto muito de trazer dados da Wikipedia, onde posso mostrar as plantas em outros lugares do mundo:

“O gengibre possui sabor picante e pode ser usado tanto em pratos salgados quanto nos doces e em diversas formas: fresco, seco, em conserva ou cristalizado. O gengibre seco é mais aromático e tem sabor mais suave. Além de ter vários benefícios para a saúde.

O gengibre fresco é amplamente utilizado na China, no Japão, na Indonésia, na Índia e na Tailândia

No Japão, costuma-se usar o suco (do gengibre espremido) para temperar frango e as conservas “beni shouga”. 

Já o gengibre cristalizado é um dos confeitos mais consumidos no Sudeste Asiático.

Nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha, usado para fazer os tradicionais bonecos de gengibre para o Natal. 

No Brasil, é utilizado para a confecção do quentão, bebida típica das festas juninas.”

Eu confesso que agrego gengibre a várias receitas mais picantes, pois ele traz uma ardência com frescor aos pratos. 

Um amigo me contou que numa receita de chocolate com pimenta usou o pó de gengibre na construção do recheio e obteve um ótimo resultado.

20191023_114814

Mostarda

Os antigos gregos e romanos são os responsáveis pela mostarda, pois existem registros do uso desse condimento na antiguidade, mas os brasileiros adoram temperos fortes e rapidamente o adaptaram a nós.

Afinal o que seria de um bom hambúrguer ou de um strogonoff brasileiro, sem a mostarda?

Dizem ainda que faz bem ao fígado e intestino.

Assim como o gengibre e as pimentas, aguçam o paladar!

 Vamos aos conceitos Wikipedia:

“A mostarda é mais usada na mesa como condimento para carnes frias ou quentes. 

Também é usada como ingrediente da maionese, vinagrete, marinados e molho de churrasco. 

É um popular acompanhamento para cachorro-quente, bretzel e bratwurst. 

Nos Países Baixos e no norte da Bélgica, é usado comumente para se preparar sopa de mostarda, que inclui mostarda, creme, salsa, alho e pedaços de toucinho salgado.”

Enfim, a mostarda Dijon foi popularizada como tradicional e refinada para carnes, mas a mostarda amarela se popularizou com os sanduiches americanos. Quem imagina um hot dog ou hambúrguer sem um jato de mostarda desenhado nele?

Alho

Um dos meus temperos favoritos, veio direto da Eurásia para a mesa do brasileiro.

Além de delicioso, agrega muito à saúde dos seres humanos, possui características que influenciam o colágeno e pode ser usada como antisséptico e como antiespasmódico.

Você deve lembrar das receitas de chá de alho, das nossas avós,

Curiosidades em culinária da Wikipédia:

“Na culinária pode ser utilizado de diversas formas, cru, refogado, picado, em rodelas etc., conforme os gostos que são pouco unânimes. 

Em geral, os povos mediterrânicos são os maiores apreciadores, empregando-o, geralmente, em conjunto com o tomate e a cebola. 

Outros povos, menos adeptos do seu uso, chegaram a designar a planta como “rosa fétida”, devido ao seu odor forte e picante proporcionado pela essência de alho ou dialil sulfito. 

Quando consumido em quantidades elevadas, esse odor pode tornar-se evidente no suor de quem o ingeriu. O hálito característico e geralmente considerado desagradável pode ser minimizado se for consumida também salsa fresca.

Uma curiosidade aos apreciadores da “rosa fétida” é um restaurante de mesmo nome, em Inglês chamado de “Stinking Rose”, localizado em São Francisco (California), nos Estados Unidos. Sendo um restaurante temático de conceito interessante a maior parte do que pode ser consumido é temperado com alho e algum dos alimentos apresentam um gosto bem marcante deste tempero. Mais interessante ainda é a existência de um vinho carregado de seu sabor e cheiro e de uma sobremesa peculiar, o sorvete de alho. O restaurante possui ainda uma filial em Beverly Hills.””

Fora essas curiosidades, eu diria que o alho não tem nenhum aroma desagradável e misturado a tomates e cebolas podem gerar a base de molhos perfeitos para macarrão e servir uma carne.

Afinal, eu sempre como receitas deliciosas com alho, vou citar apenas duas:

  1. Macarrão alho e óleo, onde a massa possui de olho apenas uma boa fritada de alhos;
  2. A cabeça do alho cozida com condimentos, gerando uma folhar de delicioso sabor forte. 
20191023_114820

Em breve, a COMUD poderá fazer e publicar essas receitas.

Eu achei um site de uma empresa que produz alho, ela fala muito sobre alho, de forma leve, vale a pena dar uma olhadinha.

Dente Legal | É muito mais sabor!

Lá você pode encontrar mais curiosidade e até receitas!

Pimentas

Calabresa, Vermelho, Comestível, Focado

Aqui vem uma curiosidade deliciosa, a origem das pimentas está nas Américas, na África e na Ásia e foram introduzidas na Europa

São inúmeras, possuem diferentes sabores, formatos, cores, são realmente diferenciadas.

Suas propriedades estão na casca e dependem muito da maturação.

Nesse produto cabe trazer uma explicação técnica de botânica:

“Os componentes mais característicos encontrados exclusivamente nas pimentas são alcaloides denominadas capsaicinoides, responsáveis pela ardência que produzem quando entram em contato com as células nervosas da boca e das mucosas. São divididas em duas categorias:

Capsaicina

Encontrada nas nervuras do fruto das pimentas vermelhas. 

Age provocando uma surpreendente aceleração do metabolismo no local, dilatando os vasos capilares e aumentando o fluxo sanguíneo, o que propicia um substancial aumento do fluxo de nutrientes e de oxigênio à área atingida e, além disso, estimula as ramificações nervosas, elevando a capacidade dos sistemas imunológico e anti-inflamatório e melhorando a capacidade de cicatrização e a ação bacteriológica.

Piperina

Muito concentrada na pimenta-do-reino, porém presente também nas sementes de diversas espécies de pimentas hortícolas.

Essas duas substâncias isoladas não possuem qualquer cheiro ou sabor, apesar do ardor que ambas provocam, cada qual ao seu modo. A piperina produz ardência através da ação causticante, queimando as células superficiais da mucosa atingida.”

Traduzindo, as pimentas causam aquela ardência, pois sua ação interfere no nosso metabolismo, a capsaicina e/ou a piperina estimulam os nossos receptores da boca e da língua, chega a ser algo muito curioso, pois nossos órgãos traduzem ao cérebro uma sensação de queimadura. Nosso cérebro devolve ao local um efeito bombeiro, para nos proteger, passamos então a salivar, escorre o nariz e podemos transpirar. E não para por aí, ele fabrica endorfinas que provocam sensação de bem-estar.

Vocês acreditam que uma simples pimentinha tem todo esse poder?

Durante muito tempo, foi vista como um afrodisíaco e chegando a ser proibida aos jovens, devido aos seus estímulos de sensualidade.

Podem ser digestivas se usadas com parcimônia. Além disso, guardam muita vitamina A e C. 

Muitas religiões ligam as pimentas ao sol, ao fogo e a vitalidade!

Curiosidades

Adorei um texto sobre curiosidades sobre pimentas, eles trazem 9 pontos interessantes, vou resumi-los, mas o link para o site está abaixo:

  • Pimentões são da família das pimentas;
  • Existe uma escala para medir o quanto provocam queimação, Escala de Scoville.
  • As sementes concentram grande parte da capsaicina, logo se for comer pimenta fresca, retire suas sementes para reduzir o ardido;
  • Apesar da fama das pimentas do México, existe mais variedades no Peru e na Bolívia;
  • Quanto menor mais intensa a pimenta;
  • Manusear pimenta pode sim provocar queimaduras;
  • A pimenta do reino é outra linha, ligada a piperina, são sementes de plantas e nesse caso quanto mais fresca melhor;
  • Se quer reduzir o efeito da ardência, não tome água, coma pão ou arroz ou tome leite.

Nove coisas que você provavelmente não sabia sobre pimentas – 17/10/2017 – UOL Nossa